Blupet
Olá visitante, faça login para participar:
Pergunta respondida

Quem foi o cãozinho Checkers? Fale sobre ele e sobre como salvou a carreira política de Richard Nixon!

189 visualizações

Respostas

Melhor resposta

Richard Nixon, sua mulher e filhas observam o cocker spaniel Checkers em praia de Nova Jersey, em 1953. Na época, Nixon era vice-presidente. Ele assumiria a Casa Branca apenas em 1969.


O presidente Richard Nixon anunciou na Quinta-Feira 08 de Agosto de 1964, à noite sua renúncia, pondo fim à sua longa luta para preservar uma presidência destruída pelo escândalo de Watergate. Nixon tornou-se, assim, o primeiro presidente dos Estados Unidos a renunciar.
Até terça-feira (06/08/64), Nixon havia insistido em que não renunciaria e enfrentaria o processo constitucional de julgamento político "até às últimas consequências" ou seja, o "impeachment".
O presidente começou seu discurso, televisado para todo o mundo, em tom sereno e observou que durante o processo de Watergate impôs-se a si mesmo a firme convicção de continuar até o fim.
"Mas, é evidente que já não conto com o necessário apoio do Congresso. Enquanto eu o tivesse, lutaria até o fim".


Em seu Discurso, conforme transcrito abaixo, Nixon admitiu que o único presente que havia recebido fora seu cachorro "checkers".


Numa breve referência a Watergate, Nixon afirmou que "se alguns dos julgamentos estiveram errados - e alguns estiveram - acredito que foram feitos no melhor dos interesses desta Nação".
Parecendo calmo e falando num tom de voz firme e inalterado, Nixon afirmou que a idéia de renunciar era "repelente para todo o instinto de meu corpo" e observou que os membros de sua família se opuseram à renúncia unanimemente.
"Continuar a lutar por uma defesa pessoal", disse Nixon, custaria muito tempo para o Congresso e para o Governo.
"Portanto, eu renunciarei à presidência efetivamente ao meio-dia de amanhã (09/08/64)". O vice-presidente Ford "prestará juramento como presidente nessa mesma hora, neste gabinete".
Nixon elogiou Ford, afirmando que "sei, como disse quando o designei, que a liderança da América estará em boas mãos".
Nixon, como já o fizera muitas vezes, mencionou sua contribuição para a retirada de soldados dos EUA do Vietnã e a sua política em busca de uma "paz duradoura".
"Necessitamos completar uma estrutura de paz, de forma que se possa dizer de nossa geração de norte-americanos que não somente terminamos uma guerra, mas que ajudamos a impedir outras", acentuou.
"Deixarei este gabinete com tristeza", declarou, após qualificar seus cinco anos e meio de governo como "uma época significativa, uma época de realizações".
Mais adiante, Nixon disse que a atual amizade entre as nações do Oriente Médio e os Estados Unidos deve ser preservada.
Referindo-se à distensão com a União Soviética, Nixon disse que esse relacionamento deve ser desenvolvido e expandido de modo a que as duas nações possam cooperar na manutenção da paz.
Nixon lembrou que o processo de limitar o desenvolvimento de armas nucleares havia sido iniciado, mas que o objetivo agora deve ser não apenas limitar essas armas mas reduzir seu número e finalmente destrui-las.
Afirmou que, "enquanto houver um sopro de vida em meu corpo continuarei a trabalhar pela causa da paz".
"Fiz este sagrado compromisso de consagrar meu posto, minhas energias e toda sabedoria que possa reunir para a causa da paz entre as nações".
Nixon assegurou que fez o melhor que pôde e está confiante em que "o mundo é um lugar seguro hoje para a América e todas as nações, e nossas crianças têm uma possibilidade melhor do que antes de viver em paz".
"Ao olharmos para o futuro, o essencial é começar a curar as feridas da Nação, bem como restabelecer a força e os altos ideais dos Estados Unidos, de um povo grandioso e livre".
"Ao adotar esta decisão, espero apressar este processo", acrescentou.
Nixon disse que lamentava algumas coisas que fizera.
"Se alguns de meus julgamentos estiveram errados, e alguns deles estiveram, foram adotados porque o considerei como sendo os que atendiam melhor aos interesses do país".
Nixon agradeceu aos amigos e correligionários que o haviam apoiado e acentuou que lhes seria "grato eternamente".
"E, dessa forma, para aqueles que não se sentiram capazes de me prestar seu apoio, permitam-me dizer que parto sem amargura para com aqueles que se me opuseram".
"Todos nós nos preocupamos com o bem deste país, quaisquer que tenham sido nossos julgamentos. Assim, unamo-nos em nosso propósito comum e ajudemos nosso novo presidente".

Ensejando ter colaborado um pouco.

Fraternalmente,



Gilmar

Imagem rodapé

© 2013 Sopa Team

Voltar ao topo