Blupet
Olá visitante, faça login para participar:
Pergunta respondida

Comente sobre o "Cão de Água Espanhol", também conhecido como "Perro de Água Espanhol".

308 visualizações

Respostas


Ficha do Cão D’água Espanhol

Cão D’água Espanhol
O Cão de Água Espanhol é uma das raças mais antigas do território espanhol. É um grande nadador e um excelente mergulhador.

Origem

Existem várias teorias sobre as origens dessa raça desgrenhada. A mais difundida diz que os árabes, durante a invasão islâmica do ano de 711, trouxeram o Cão de Água Espanhol para a Península. Outros afirmam que a raça chegou à Espanha da Turquia no final do século XVIII, começo do XIX. Seja como for, esse cão acabou se adaptando perfeitamente às condições ambientais e de trabalho na Espanha. No norte, era usado para ajudar os pescadores e no sul, se empregava em tarefas de caça e pastoreio.

Comportamento

É um cão muito alegre, vivo, fiel e equilibrado. É inteligente, obediente e aprende com facilidade. Adora brincar, ser acariciado e poderia passar horas mergulhando e brincando no mar. Se dá especialmente bem com crianças.



Aspecto

De corpo robusto e peito largo, se caracteriza por seu pelo encaracolado e lanoso. Por baixo dessa capa está um cão atlético, rústico e com boa musculatura. Tem orelhas triangulares e caídas, uma cauda de tamanho médio que costuma ser amputada por volta da segunda ou quarta vértebra, mas somente nos poucos países onde esta prática ainda é permitida. Sua pele é flexível e fina.

Cuidados específicos

É um cão que se adapta muito bem a todas as situações, mas que se for viver em apartamento, precisa fazer exercícios diariamente. Devido ao seu pelo, costuma se sujar muito. É recomendável que depois de cada passeio que se examine bem a pelagem para ver se não tem nada pregado nela.

Saúde

Esse cão tem uma ótima saúde e apresenta pouquíssimos problemas característicos.

Melhor resposta

Boa tarde!

ORIGEM: O Cão d'Água Espanhol é uma raça antiga. Acredita-se que um milênio antes do nascimento de Cristo, já havia na Península Ibérica uma raça semelhante ao Cão d'Água Espanhol.
Pensa-se que no início era sobretudo utilizada como cão pastor, porém, mais tarde, passou a ser também ajudante dos pescadores.
O Cão d'Água Espanhol acabou por se espalhar por todo a Espanha devido aos movimentos migratórios de procura de pastos para os rebanhos ("transumância").

A aristocracia francesa descobriu o Cão d'Água Espanhol na altura das invasões francesas na Península Ibérica e a raça foi exportada para Paris e imortalizada em quadros que partilharam com membros da realeza.

Com o advento da revolução industrial e a consequente fuga para as cidades, o Cão d'Água Espanhol tornou-se obsoleto e acabou por ficar confinado a algumas regiões espanholas: na Andaluzia os pastores mantiveram-se fiéis à raça, e no Sul de Espanha, sobretudo nas zonas mais montanhosas, o Cão de Água não foi preterido em relação a outras raças pastoras que começaram a ficar na moda, tais como o Pastor Alemão e Belga.

Apesar das raízes do Cão d'Água Espanhol serem muito antigas, a verdade é que em 1980 a raça ainda não era reconhecida. Antonio Garcia Perez e Santiago Montesinos viajaram pela Espanha à procura de bons exemplares e trabalharam no estalão da raça até que conseguiram oficializar o Cão d'Água na Espanha. O reconhecimento da Fédération Cynologique Internationale (FCI) só chegou em 1999.

ASPECTO GERAL: Cão rústico, bem proporcionado (peso médio), dolicocéfalo, proporções longelíneas, de contornos harmoniosos e aparência atrativa, de compleição atlética e bem musculado devido à sua regularidade nos exercícios funcionais; o perfil é retilíneo, seu olfato, audição e visão bem desenvolvidos.

UTILIZAÇÃO: Cão pastor, caçador, de companhia, ajudante de pescadores, mineros, bombeiros (em terremotos, desmoronamentos, etc), policial/ proteção civil (detecção de drogas).

PROPORÇÕES IMPORTANTES:
Comprimento do tronco - altura na cernelha = 9 : 8.
Profundidade de peito - altura na cernelha = 4 : 8.
Proporção crânio-focinho = 2 : 3.

REGIÃO CRANIANA: Cabeça forte, de porte elegante.
Crânio: chato, com uma crista occipital ligeiramente marcada. Linhas superiores de crânio-focinho paralelas.
Stop: suave e pouco marcado.

REGIÃO FACIAL: Olhos: inseridos ligeiramente oblíquos e bem afastados, muito expressivos; de cor avelã ao castanho, deve harmonizar com a cor da pelagem, Sem deixar a conjuntiva à mostra.
Focinho: perfil retilíneo.
Trufa: narinas bem definidas, da mesma cor ou ligeiramente mais escuro que o tom mais escuro da pelagem.
Lábios: bem ajustados; com a comissura labial bem definida.
Dentes: dentes bem formados, brancos com caninos bem desenvolvidos.
Orelhas: inserida à meia altura, triangulares e caídas.

PESCOÇO: Curto, bem musculado, sem barbelas, bem encaixados nos ombros.

TRONCO: Robusto, com linha superior reta.
Cernelha: pouco marcada.
Dorso: reto e poderoso.
Garupa: ligeiramente inclinada.
Peito: largo e profundo; perímetro torácico amplo denotando considerável capacidade respiratória.
Costelas: bem arqueadas
Ventre: ventre ligeiramente esgalgado.

CAUDA: Inserida à meia altura. A amputação deve ser feita entre a segunda e a quarta vértebra caudal. Certos exemplares apresentam uma cauda curta congênita (braquiurismo).

EXTREMIDADES ANTERIORES: São fortes e verticais.
Ombros: bem musculados e oblíquos.
Braços: fortes e angulados.
Cotovelos: trabalhando rente ao tórax e paralelos.
Antebraços: retos e robustos.
Carpos: retos, preferencialmente curtos.
Metacarpos: retos, preferencialmente curtos.
Patas: redondas, dígitos compactos, unhas de cores variadas; almofadas resistentes.

EXTREMIDADES POSTERIORES: Perfeitamente verticais com angulações não muito pronunciadas e músculos capazes de transmitir ao tronco uma propulsão realmente enérgica e força necessária a um salto elegante e fluente.
Coxas: longas e bem musculadas.
Pernas: bem desenvolvidas.
Jarretes. bem baixos.
Metatarsos: curtos, secos e verticais.
Pies: com as mesmas características que os anteriores.

MOVIMENTAÇÃO: A andadura preferida é o trote. O galope é curto e saltitante.

PELE: Flexível, fina e bem assentada ao corpo. Pode ser pigmentada de preto ou marrom, ou sem pigmentação de acordo com a cor da pelagem. O mesmo se aplica às mucosas.

PELAGEM: Pêlos sempre encaracolados com textura algodoada. Ondulados ou encaracolados quando curto, pode formar encordoados quando longos. São admitidos exemplares tosados; a tosa, sempre completa e deve ter um penteado "estético".

COR: Sólida: branca, preta e castanho, nas suas diferentes nuanças.
Bicolores: branco e preto ou branco e marrom, nas suas diferentes nuanças.

TAMANHO: A altura na cernelha, nois machos, varia entre 41 e 50 cm. Nas fêmeas varia entre 38 e 45 cm.

PESO: O peso nos machos varia entre 16 a 20 kg. Nas fêmeas está entre 12 e 16 kg.

TEMPERAMENTO/ COMPORTAMENTO: Fiel, obediente, alegre, laborioso, valente e equilibrado, o Cão d'Água Espanhol é um animal inteligente, capaz de se adaptar a várias situações e desempenhar tarefas diferentes com a mesma destreza, devido a sua grande capacidade de aprendizagem e seu extraordinário entendimento.

É um cão fácil de treinar, mas mantém os instintos de pastoreio e caça muito aguçados. Por isso, necessita ter tarefas que o mantenham ocupado e que o desafiem.

São cães dedicados à família, mas desconfiados com estranhos. A socialização destes cães é muito importante. Necessitam de um dono confiante que saiba impor naturalmente a sua liderança. Não são os cães mais indicados para conviver com crianças, mas desde que habituados de pequenos, podem-se tornar muito companheiros. Devido à sua dedicação para com a família podem-se tornar demasiado protetores e territoriais.

O Cão d'Água Espanhol está habituado a Invernos rigorosos e verões escaldantes
Imagem rodapé

© 2013 Sopa Team

Voltar ao topo